sexta-feira, 12 de julho de 2013

Bispo da Brasilândia estimula fiéis à Semana Missionária e JMJ

Redação Pascom
a
Em carta endereçada aos fiéis da Região Brasilândia, na quinta-feira, 11 de julho, dom Milton Kenan Júnior, bispo regional motivou para que participem das atividades da Semana Missionária em São Paulo e acompanhem atentamente os fatos JMJ Rio-2013.
a
CARTA DE DOM MILTON – JULHO DE 2013
a
Caríssimos irmãs e irmãos em Cristo,
a
Estamos já bem próximos do início da Semana Missionária que antecede a Jornada Mundial da Juventude. Durante todo este ano, nos preparamos para acolher os peregrinos que deverão vir de todas as partes do mundo, para repetir esta experiência extraordinária de encontro com o Santo Padre, e com jovens de todos os Continentes.
a
A Arquidiocese de São Paulo acolherá grande número de jovens peregrinos, durante a Semana Missionária, que acontece entre os dias 16 e 20 de julho, em todas as paróquias. Deverão ser dias em que os jovens peregrinos poderão conhecer a realidade de nossas paróquias, e por meio delas, aquilo que é peculiar na presença da Igreja em nossa Nação. Terão a ocasião de conhecer o nosso modo alegre e festivo de celebrar; a nossa disponibilidade em sair e ir ao encontro dos mais afastados, a nossa alegria no acolher aqueles que são diferentes de nós e comungam conosco a mesma fé. Vão ter a possibilidade de conhecer as muitas atividades assistenciais e sociais que nasceram do nosso compromisso com o Evangelho e que são em muitos dos nossos bairros expressão do carinho da Igreja com os mais pobres e necessitados.
a
A Semana Missionária será tempo de graça não só para os que nos visitam, mas para nós também. O Papa Bento XVI na Carta “Porta Fidei”, diz algo que se aplica perfeitamente a nós durante estes dias: “a fé cresce quando é vivida como experiência de um amor recebido e é comunicada como experiência de graça e de alegria.” (n.7). E o Beato João Paulo II escrevia: “É dando a fé que ela se fortalece” (Redemptoris Missio, n.2).
a
Os dias de convivência com os jovens peregrinos serão para nós ocasião de dar e de receber. Temos muito a oferecer, a partilhar; mas, temos muito que receber e acolher. Ouvindo os jovens peregrinos, certamente, vamos nos admirar com o que a graça de Deus tem realizado por toda parte. Vamos ter possibilidade de conhecer experiências bonitas, de Igrejas que vivem na abundância ou na necessidade; e, vamos também saber dos muitos desafios que a Igreja enfrenta em realidades marcadas pela guerra, pela perseguição, e por diversas formas de sofrimento.
a
Creio que esses dias nos possibilitarão perceber o quanto a vida da Igreja é semelhante em toda parte do mundo; o que demonstra que de fato somos membros de um mesmo Corpo cuja Cabeça é Cristo, e os membros somos cada um de nós. Embora vivendo em realidades tão diversas, e com perfis tão diferentes, a fé nos irmana e nos aproxima uns dos outros, dando-nos a possibilidade de nos ajudarmos mutuamente.
a
É importante lembrar que a Semana Missionária nos prepara e nos convoca para a Jornada Mundial da Juventude. Seja os que vêm de tão distante, como nós daqui que estamos tão próximos do Rio, somos todos convocados a participar da Jornada Mundial da Juventude que terá seu ponto culminante a presença do Papa Francisco entre nós! Vamos poder reviver a alegria que já experimentamos quando da visita dos papas João Paulo II e Bento XVI em nossa Pátria. Ele vem para confirmar-nos na fé e, impulsionar os jovens para a Missão!
a
O tema central da Jornada é “Ide e fazei discípulos entre todas as nações” (cf. Mt 28,19). Toda Igreja, e particularmente os jovens, são chamados à Missão! 
a
Na mensagem para a JMJ 2013, o Papa Bento XVI dizia: “Hoje, não poucos jovens duvidam profundamente que a vida seja um bem, e não veem com clareza o próprio caminho. De um modo geral, diante das dificuldades do mundo contemporâneo, muitos se perguntam: E eu, que posso fazer? A luz da fé ilumina esta escuridão, nos fazendo compreender que toda existência tem um valor inestimável, porque é fruto do amor de Deus. Ele ama mesmo quem se distanciou ou esqueceu d’Ele: tem paciência e espera; mais que isso, deu seu Filho, morto e ressuscitado, para nos libertar radicalmente do mal. E Cristo enviou os seus discípulos para levar a todos os povos este alegre anúncio de salvação e de vida nova.”
a
Portanto, somos todos enviados! É esta a grande razão da JMJ 2013: lembrar-nos que somos missionários. Certamente as palavras do Papa Francisco vão tocar fundo nos nossos corações, despertando-nos para o compromisso missionário. É tempo para retomar o Documento de Aparecida, cujo título é um convite eloquente para toda a Igreja da América Latina: “Discípulos missionários de Jesus Cristo, para que nele nossos povos tenham vida”.
a
Aos padres, diáconos, religiosos e religiosas, leigos e leigas, sobretudo, os jovens que irão para a Jornada Mundial da Juventude no Rio de Janeiro, o meu obrigado por atender o convite que a Igreja lhes fez, e o meu apelo para que abracem de coração a mensagem do Papa Francisco e aproveitem as muitas iniciativas realizadas na Jornada para encher o coração de entusiasmo missionário.
a
Quero lembrar-lhes que no dia 19 de julho, teremos a Vigília da Região Episcopal Brasilândia, no Santuário da Mãe Rainha, no Jaraguá, com a Celebração da Santa Missa, às 17h, seguida de uma ação cultural. Esta Vigília é precedida por um passeio ao Parque Estadual Jaraguá (Pico do Jaraguá), a partir das 9h da manhã, onde no contato com a natureza exuberante daquele local e a visão panorâmica da cidade de São Paulo, poderemos desfrutar das maravilhas que Deus nos concede generosa e gratuitamente.
a
No dia seguinte, no dia 20 de julho, teremos na Praça dos Heróis da FEB, a concentração arquidiocesana para a missa do envio para a JMJ. Há todo um programa preparado a partir das 15h para acolher os jovens e famílias das mais diversas partes da Arquidiocese; culminando com a missa às 17h. A presença de todos é aguardada com muita ansiedade.
a
Lembro ainda aos padres dois acontecimentos importantes que acontecerão logo após a Jornada e cuja presença deles é aguardada: no dia 3 de agosto, sábado, às 9h30, teremos a peregrinação do Clero à Catedral da Sé para celebrar o Patrono dos Párocos São João Maria Vianney e, para a Profissão solene da Fé, junto ao nosso Arcebispo, o cardeal dom Odilo. E, o Curso de Atualização Teológica e Pastoral do Clero da Arquidiocese de São Paulo, na Vila Kotska, em Itaici, entre os dias 5 e 8 de agosto, tratando do tema: “A fé que professamos”, com a assessoria do Monsenhor Antônio Luiz Catelan Ferreira, Assessor da Comissão Episcopal para a Doutrina da Fé.
a
Ao despedir-me, agradeço-lhes mais uma vez pela atenção que me dispensaram e, faço votos que durante a Semana Missionária possamos nos encontrar e viver com alegria este momento tão importante para nossa Arquidiocese compreendida nas suas Regiões Episcopais e Paróquias.
a
A todos meu abraço fraterno e minha bênção no Senhor,
a
Dom Milton Kenan Júnior
Bispo Auxiliar de São Paulo
Vigário Episcopal da Região Brasilândia

quinta-feira, 4 de julho de 2013

Pastorais Sociais avaliam ações na Brasilândia

Renata Moraes, pela Pascom Brasilândia e assessora de comunicação regional
a
Na noite da quinta-feira, 27 de junho, os agentes das pastorais sociais da Região Brasilândia estiveram reunidos na Paróquia Santa Rita de Cássia, no Morro Grande, com os participantes da equipe de Fé e Política regional, representantes da Pastoral Carcerária, CEB’s, Pastoral do Menor e Cáritas, a fim de partilhar experiências e avaliar a atuação das pastorais e também planejar ações em conjunto para o próximo semestre.
Inicialmente, foi feita uma partilha de comentários de fatos e pontos de vista particulares dos últimos eventos em relação ao contexto das pastorais sociais, os quais se destacam: a falta de assessor na Pastoral Carcerária; Estrutura CNBB/Cáritas/pastorais sociais – também sem assessor, o que dificulta as atividades da Cáritas; problema para conciliar agendas; falta de continuidade em lutas assumidas em eventos como a Caminhada da Paz e o Fórum do Rodoanel; urgente necessidade de um projeto e planejamento em conjunto para as pastorais sociais; indicativo de que os jovens podem participar efetivamente da melhora do quadro social, mas a falta de lideranças tem aberto espaço para uma condução, por vezes, manipuladora.
a 
Após tais reflexões, foram listados outros assuntos urgentes a serem priorizados, tais como: maior participação nos debates acerca da Redução da Maioridade Penal; incluir mais formações para o povo identificar quais são os seus direitos na sociedade; e a melhor convivência e parceria com entidades sociais, a fim de formar novas lideranças, promovendo debates e discussões com temas atuais.
 a
Também foi apontando pelos representantes a preocupação com a juventude, que está cada dia mais participativa nas pastorais sociais, bem como a importância de questionar qual a proposta que a Igreja tem para atrair e manter atuantes esses os jovens e como estão sendo acolhidos.
a 
A partir dessas questões levantadas, o grupo irá preparar uma pauta dos principais assuntos para serem apresentados na assembleia regional, que acontecerá no dia 5 de outubro de 2013, devendo ser propostas reflexões sobre a Reforma Política e a Maioridade Penal.
 a
Em entrevista, padre Cilto Rosembach, assessor das pastorais sociais na região, apontou quais os principais desafios. “É um desafio a articulação das pastorais, temos que elaborar um projeto levando em consideração as principais necessidades da região, relacionadas às políticas publicas como: reforma política, a questão da violência, a juventude, a formação, a moradia e a mobilidade urbana, sem esquecer a saúde. O encontro de hoje vai dar muito o que fazer e falar, mas já é um ponta-pé inicial de um grande jogo", encerrou.
a 

O próximo encontro do grupo será no dia 24 de julho, às 20h, na Paróquia Santa Rita de Cássia (rua João Melo da Câmara, 47, na Vila Progresso). 
Ocorreu um erro neste gadget

Acessos