sexta-feira, 29 de julho de 2011

Sobre o que o blog da Pascom deve comunicar?

Por Daniel Gomes pela Pascom Brasilândia

A recente mudança no design do Blog da Pascom Brasilândia (ainda em curso, estamos fazendo ajustes) nos deu a possibilidade de verificar os acessos feitos desde maio de 2009 (a estatística conta a partir daquele mês, mas o blog foi criado em março de 2008).

Os indicativos revelam “os caminhos da notícia” que devemos seguir e trazem também alguns dados curiosos. Dos mais de 12,4 mil acessos já registrados, cerca de 10,5 mil foram feitos a partir de computadores no Brasil, 1.600 dos Estados Unidos, 56 do Japão, 35 da Alemanha e teve visualizações até na Ucrânia: 20.

Sobre o que o blog da Pascom deve comunicar? Ao que tudo indica, os eventos da Igreja regional e os problemas sociais que afetam a periferia são o melhor caminho de noticiabilidade, junto à prestação de serviço.

Vejamos: a maior quantidade de acessos se deu na postagem “Brasilândia realiza 1° CRP de 2011”, de fevereiro de 2011, que alcançou 815 visualizações. Outras home-reportagens mais vistas foram: “Eleições 2010: mudanças em quatro zonas eleitorais” (689 visualizações), de outubro de 2009; “Cantareira: um sonho que se tornou realidade” (457 visualizações), de julho de 2010; “Metrô na Brasilândia? Só em 2017” (158 visualizações), de março de 2011; “Região Brasilândia: mudanças em harmonia” (94 visualizações) de fevereiro de 2009.

Se ainda restam dúvidas que a trinca acontecimento regional, prestação de serviço e notícias de mobilização social é o melhor caminho a seguir, os dados dos dois meses com a maior quantidade de acessos dão a palavra final.

Em maio deste ano, o blog teve a maior quantidade de acessos de sua história: 1.352 visualizações na home-page, onde foram publicadas reportagens sobre a reunião do CRP, o início da operação delegada da Polícia Militar, a ação da Igreja no incêndio do Jardim Rincão e as iniciativas de resistência da população em situação de rua.

Em outubro de 2010, mês de eleições, quando o Blog da Pascom, através da seção “Eixo Temático” agregou links para os sites de todos os candidatos a presidente da República e governador do Estado foram 1.309 acessos, com notícias-destaque sobre a realização do Mutirão bíblico, os aprendizados das eleições para a Região Brasilândia, as missões populares e as festas a Nossa Senhora Aparecida.

Partilhamos essas informações para deixar esta dica aos gestores de blogs da paróquias e movimentos sociais: noticiem os acontecimentos internos, mas não deixem de olhar para o entorno! Esse parece ser o melhor caminho.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Dom Angélico festeja 52 anos de sacerdócio

Por Anderson Braz, pela Pascom Brasilândia

Junto a lideranças regionais e amigos, dom Angélico Sândalo Bernardino, bispo emérito de Blumenau (SC) e primeiro bispo da Região Brasilândia, festejou na noite do domingo, 17 de julho, 52 anos de sacerdócio, em missa por ele celebrada na Paróquia Santos Apóstolos, Setor São José Operário.

“Somos padres por dom de Deus, não por fé”, destacou dom Angélico no início da celebração, lembrando-se que na sua cidade natal, Saltinho, no interior de São Paulo, é tradição puxar as orelhas do aniversariante, e nessa menção, brincou com os padres concelebrantes, Antônio Leite Barbosa Júnior (Toninho), Alexandre e Alberto Abib Andery.

Na homilia, o bispo ressaltou a importância de valorizar o amor, o ‘eu te amo’, entre os casais, namorados e amigos, pois o amor está em baixa diante do consumismo, da pressa, do trabalho e do imediatismo. “A internet está consumindo nossos jovens, levando a uma cultura sem conteúdo e cada vez mais imediatista. Fiquemos atentos a esses novos desafios”, comentou, exortando que todos sejam semeadores de paz, alegria e esperança, diante da sensação de tristeza e catástrofes, divulgadas pelos meios de comunicação, “é neste campo que temos que semear”, motivou.

Após a comunhão e ação de graças, dom Angélico foi exaltado pelos fiéis por sua trajetória pastoral e de articulações sociais na região. O bispo foi presenteado com a camisa do clube de futebol que é torcedor e brincou: “Que São Jorge nos guarde”.

Por fim, agradeceu a todos, disse que se sente a vontade onde está, com pessoas que o ajudaram na caminhada sacerdotal, e que pretende junto destes ir até onde Deus permitir em seu sacerdócio, que foi iniciado em 12 de julho de 1959, quando foi ordenado na cidade de Ribeirão Preto.

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Periferia age por gestão do lixo na Brasilândia

Por Jaime C.Patias (Revista Missões)
Juçara Terezinha (Pascom Brasilândia)


Lideranças das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) do Setor Cântaros, educadores e moradores do Jardim Carumbé, Jardim Paulistano, Vila Terezinha e Vila Isabel, na zona noroeste de São Paulo, realizaram no último sábado, 9 de julho, a caminhada educativa “Lixo bem colocado, nosso bairro é preservado”.

A meta da atividade foi orientar a população a colocar o lixo nas calçadas apenas nos períodos em que está prevista a passagem dos caminhões de coleta da prefeitura de São Paulo. Logo cedo, às 8h, cerca de 50 pessoas, se reuniram em frente à capela São Benedito, próximo ao CEU Jardim Paulistano, munidas de luvas, máscaras, vassouras, baldes, pás e um caminhão para recolher o lixo e dar um recado à população.

Animada e conscientizadora, a caminhada teve a presença dos bonecos Zé Limpinho e Maria Beleza que chamaram a atenção de crianças e adultos. Muitos pararam para conversar sobre a problemática do lixo, atraídos também pelos cartazes e faixas com mensagens sobre a importância do cuidado com o lixo, para evitar problemas de saúde como leptospirose, cólera, disenteria e hepatite, e impedir a formação de criadouros para o mosquito da dengue, a poluição do solo e águas, e degradação da imagem do bairro.

Ao longo do trajeto, os participantes recolheram lixo e entulho das ruas, praças e vielas – como restos de material de construção, móveis e utensílios domésticos – e entregaram panfletos com orientações educativas sobre o tema. Muitos moradores apoiaram a iniciativa e também criticaram a prefeitura, pela falta de infraestrutura e fiscalização, e àqueles que tratam o lixo com desleixo

Muitos moradores reclamaram, por exemplo, da falta de caçambas para acomodar os entulhos, da pouca regularidade do serviço de coleta seletiva da prefeitura de São Paulo e da não-existência de um trabalho conjunto das escolas, postos de saúde e entidades ambientais, no sentido de conscientizar a comunidade sobre a necessidade de separar os materiais, e de colocar o lixo no horário correto de coleta.

Maristela, Agente Comunitária de Saúde, disse, porém, que conscientização não falta, pois "já foram desenvolvidas ações educativas, mas o pessoal não quer saber. Também não é responsabilidade só da Prefeitura. Alguns catadores chegam e espalham o lixo".

Segundo o motorista do caminhão, a empresa contratada para o serviço coloca todos os dias, 23 caminhões, com uma equipe de seis trabalhadores cada para fazer a coleta, das 8h às 14h. "Essa frota é contratada pela Prefeitura e deveria ser dobrada para dar conta do trabalho, mas isso acontece somente nos messes de dezembro e janeiro", afirmou.

Moradores apoiam iniciativa

“Alguns querem se livrar é se livrar do lixo e jogam na porta da casa da gente. Não têm consciência que estão prejudicando o outro”, reclamou Maria da Rocha, do Jardim Paulistano.

"As praças não estão organizadas, as calçadas ficam quebradas e isso não ajuda a criar um ambiente limpo. Mas a Prefeitura não faz nada por nós. O cidadão da periferia fica abandonado, jogado no meio do lixo. Quando não existe organização, fica fácil jogar o lixo em qualquer lugar", lamentou Terezinha, liderança das CEBs.

“É muito triste ver que entre o material que poderia ser reciclado estão restos de comida, garrafas de vidro quebradas, cachorros e gatos mortos. Isso revolta a gente”, expressou José Cândido da Silva, catador de material reciclável há 20 anos.

Conceição Nogueira, comerciante no Jardim Paulistano, já teve a ideia de eliminar as sacolas de plástico utilizadas nas compras, mas as pessoas não aderiram. "Na década de 70, não tinha sacolas de plástico e a gente vivia muito bem. Não tinha enchente", lembrou Conceição, que aprovou a ação do último sábado.

"No Jardim Damasceno, a gente conseguiu fazer um trabalho com as crianças na escola e com a comunidade e o bairro melhorou muito. Aqui eu sempre via lixo nas ruas, mas não fazia ideia de que era tanto assim. Eu me assustei com a quantidade", contou a professora Marleide Rodrigues.
"Se a Prefeitura criasse pontos de coleta, o povo respeitaria mais. Esse Movimento é bom, mas só que isso não vai adiantar, porque quando sair daqui, o pessoal vai jogar de novo", disse, desconfiado o senhor Léo, também morador da região.

Nova ação já tem data marcada

Uma nova ação semelhante já foi marcada para o dia 20 de agosto, em outras ruas, no bairro Guarani. A concentração será na Paróquia São Francisco de Assis, às 8h, localizada na Manoel Nascimento Pinto, 591. Outras informações com Iva Mendes, pelo telefone (11) 8924-8515.

"Esta é uma primeira caminhada de mobilização, outras ações virão para quem sabe, mais fortalecidos, criar uma cooperativa de reciclagem", desejou o padre Edson Jorge Feltrin. "Contamos com o apoio de toda a comunidade, das crianças, dos jovens e adultos. Juntos somamos forças em favor da natureza", destacou.

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Arquidiocese de São Paulo: ao vivo pela internet

Daniel Gomes, pela Pascom Brasilândia

No sábado, 9 de julho, a partir das 15h, o site da Arquidiocese de São Paulo (www.arquidiocesedesaopaulo.org.br) transmite, ao vivo, a missa de ordenação episcopal do monsenhor Julio Endi Akamine, que atuará como bispo auxiliar na Região Episcopal Lapa.

A transmissão, que demarca o lançamento do novo site arquidiocesano, que terá novo visual e maior possibilidade de interação, de certa maneira celebra a entrada da Arquidiocese na era do “ao vivo pela internet”. Outras iniciativas similares já ocorreram antes, como as transmissões em tempo real da Pascom Brasilândia (Pascombras), desde agosto de 2009, e as transmissões ao vivo pela internet da TV Santana, por exemplo.

Evidentemente, comparações entre as iniciativas não são prudentes, pois acontecem em contextos diferentes e são frutos de práticas e remodelações peculiares: a Pascombras “aprendeu fazendo com o que tinha”, já a Arquidiocese de São Paulo, corretamente, diga-se, pesquisou os melhores recursos, investiu em equipamentos e profissionais capacitados, algo que está em sintonia com a recente reestruturação do Vicariato da Comunicação, promovido pelo arcebispo de São Paulo.

Investir na comunicação pela web é de fato uma das iniciativas fundamentais para o sucesso da Nova Evangelização, afinal o que precisa mudar é a forma como se transmite – os canais para difusão e acesso do conteúdo - e não a essência do que foi comunicado há mais de 2.000 anos por Jesus Cristo. A mensagem dele é atemporal e se adaptará a qualquer mudança de plataforma tecnológica.

Tendo a Arquidiocese dado esse passo importantíssimo de pertencer à era do “ao vivo pela internet”, bom será que agora também sejam feitos mais investimentos em infraestrutura de comunicação nas paróquias e comunidades mais carentes de São Paulo: ainda existem paróquias (e muito mais comunidades) sem computador na secretaria, e nem todas possuem e-mail, site ou blogs para contato com os fiéis.

Estar na internet para transmitir missas e eventos religiosos ao vivo é de fato fundamental nessa era do tempo real, e tão importante quanto isso é dar condições para que as paróquias e comunidades também estejam conectadas.

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Dom Milton estimula ações da Pastoral Afro

Por Guilherme Botelho Junior, integrante da Pastoral Afro
Edição de texto: Daniel Gomes, Pascom Brasilândia

Dom Milton Kenan Junior, bispo da Região Brasilândia, realizou na tarde de sábado, 25 de junho, uma visita à Pastoral Afro regional, que se reuniu na Paróquia de Nossa Senhora Aparecida, Setor Pereira Barreto, na Vila Zatt.

Padre Alécio Ferreira Silva, pároco da paróquia visitada e assessor da Pastoral Afro Brasilândia, acolheu os membros da equipe de coordenação da pastoral: a teóloga Conceição Aparecida Rosa, as senhoras Eliane Correia e Magda dos Santos e o senhor Valter Luiz Menezes, e os outros agentes pastorais, entre os quais o historiador e teólogo Guilherme Botelho Junior, do Grupo de Estudos Padre Toninho e da Pastoral Afro Achiropita.

Após breve exposição da equipe de coordenação e da acolhida, dom Milton testemunhou sua solidariedade e fraternidade para com os afrodescendentes e profetizou que diante dos atuais desafios encontrados pela Igreja, esta deve se abrir e lançar suas redes em águas super profundas, para não sucumbir ao tsunami que aí está representado pela orgia do capitalismo neoliberal que escraviza tudo e todos.

Os participantes do encontro expressaram insatisfação com a vivência de um mundo intolerante, onde impera a discriminação e o preconceito. Na opinião da maioria dos presentes, a Igreja deste novo milênio tem que se fortalecer e abraçar alguns princípios.

Um destes é resgatar a identidade dos seus seguidores, inculturando o Evangelho – resgatar os valores da identidade, respeitando e assumindo a realidade cultural de cada cristão. Além disso, é preciso trabalhar a diversidade, descobrindo as variadas faces de Cristo.

Nesse sentido, é imprescindível assumir e desenvolver um trabalho a favor da diversidade, criando a Pastoral da Diversidade, composta pela Pastoral Afro, Pastoral Carcerária, Casais em Segunda União e descasados, Dependentes Químicos, Homoafetivos, Juventude, Mulheres marginalizadas, Pessoas com Deficiência, Portadores de HIV, Povo de Rua etc. Viver as causas comuns – as questões cotidianas das comunidades.

Perguntado sobre as celebrações inculturadas, dom Milton expôs com toda clareza: “A celebração inculturada não deve ser tratada como uma concessão, mas como uma obrigação da Igreja”. Ao término da visita, o bispo abençoou a todos e desejou profícuos trabalhos, lembrando que a colheita só é feita após a semeadura, nunca antes.
Ocorreu um erro neste gadget

Acessos