sexta-feira, 30 de julho de 2010

Pascom Brasilândia atenta às eleições 2010

por Daniel Gomes, pela Pascom Brasilândia

Os mais de 1,25 milhão de habitantes dos bairros que abrangem a Região Episcopal Brasilândia convivem diariamente com problemas decorrentes da ineficiência dos serviços públicos nas áreas da saúde, educação, assistência social, meio ambiente, habitação, transporte, entre outros. A cada dois anos, por força das eleições – estadual, federal ou municipal – esses entraves cotidianos aparecem em destaque, para serem solucionados, por aqueles que pleiteiam cargos executivos e legislativos.

A partir de agora, com a intensificação das campanhas eleitorais até fins de outubro, diversos candidatos estarão presentes na Região Brasilândia, alguns com propostas concretas de melhorias, já outros com os tradicionais discursos vazios e eleitoreiros.

Diante dessa realidade, o Blog da Pascom Brasilândia, assim como fez nas eleições de 2008, fornecerá a você, internauta e eleitor, a possibilidade de acessar os sites e blogs dos nove candidatos a presidente da república e dos nove postulantes ao governo do estado de São Paulo.

Disponibilizaremos esse acesso ao link dos candidatos, na seção Eixo Temático. Junto a isso, nesse mesmo espaço, resgataremos algumas das demandas locais constatadas pela Região Episcopal Brasilândia no documento “O olhar e as propostas da Região Episcopal Brasilândia nas eleições municipais de 2008”.

A maioria das carências apontadas há dois anos permanece atual e devem estar na pauta dos que desejam o voto dos eleitores da Brasilândia: filas em hospitais e pronto-socorros; morosidade quanto à regularização de loteamentos; remoção, sem planejamento, de famílias que habitam áreas de risco; escolas com instalações precárias e falta de aportes tecnológicos, tímida ampliação dos serviços sócio-assistenciais, reduzidas oportunidades de trabalho para os jovens na Região, trânsito caótico, transporte público pouco eficiente e ausência de políticas públicas de meio ambiente, em especial, sobre o lixo jogado na Serra da Cantareira.

A equipe do Blog da Pascom acredita que com essas duas iniciativas – links para os sites e blogs dos candidatos e resgate das demandas regionais – atuaremos em sintonia com as orientações da 73ª Assembléia dos Bispos do Regional Sul 1 da CNBB aos fiéis católicos, divulgadas em Aparecida do Norte (SP). “Procure conhecer os candidatos, sua história pessoal, suas idéias e as propostas defendidas por eles e os partidos aos quais estão filiados. Vote em candidatos que representem e defendam, depois de eleitos, as convicções que você também defende”, aponta um dos trechos do documento.

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Combate à violência com criação de oportunidades

por Juçara Terezinha, pela Pascom Brasilândia

Lideranças dos bairros Jardim Vista Alegre, Elisa Maria, Damasceno, Paulistano e Vila Brasilândia participaram do 2° Seminário Regional realizado em 13 de julho na Cúria Regional.

A proposta central do evento foi debater um projeto de economia solidária que seja capaz de prevenir a violência, e que deverá ser implementado já no mês de agosto, com orientação do PRONASC, Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania, e coordenação do Instituto Integra para o Desenvolvimento, em parceria com a Cáritas Brasileira, Pastoral Carcerária, Instituto Polis, NAPES (Núcleo de Ação e Pesquisa em Economia Solidária), Universidade São Francisco, Palmas Athena, UNISOL (Central de Empreendimento em Economia Solidaria), FUNAP, entre outros.

Os cinco bairros da Brasilândia indicados foram considerados pelo PONASCI como os de maior índice de egressos, ou seja, pessoas que já estiveram presas e estão de volta à vida em sociedade.

O projeto de prevenção tem como objetivo articular políticas de segurança com ações sociais, também prioriza a prevenção e busca atingir as causas que levam à violência, sem abrir mão das estratégias de ordenamento social e segurança pública.

Articular e criar redes de parceiros locais, através da promoção da cultura da paz e solidariedade, juntando as iniciativas já existentes, é uma das metas, bem como sensibilizar e mobilizar a comunidade, divulgando e difundindo a Cultura de Paz, os objetivos da Economia Solidária e do PRONASCI, além de mapear e desenvolver diagnósticos locais, identificando as potencialidades locais; e possibilitar a constituição e o fortalecimento de empreendimentos econômicos solidários e associações.

Para garantir que esses objetivos sejam concretizados haverá um agente contratado pelo programa em cada um dos cinco bairros, que fará o papel de articulador local para fortalecer a relação das redes do projeto.

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Cantareira: um sonho que se tornou realidade

por Juçara Terezinha, pela Pascom Brasilândia

Depois de quase 12 anos de luta e persistência, as comunidades da Brasilândia celebram a volta da rádio comunitária Cantareira FM 87,5, mantida pela Associação Cantareira. A inauguração oficial da emissora acontece no domingo, 18 de julho.

A ideia de montar a rádio nasceu em abril de 1995, por iniciativa de Cilto Jose Rosembach, José Eduardo de Sousa, Cláudio Trudelli, e lideranças das comunidades da paróquia Imaculado Coração de Maria, Jardim Vista Alegre, que perceberam a necessidade de comunicar com o povo, por um meio local e acessível.

A montagem durou quase seis meses, com reuniões periódicas com as comunidades e representantes de entidades da Região. No dia 08 de setembro daquele ano, a 1ª Rádio Comunitária da Brasilândia entrou no ar, localizada na Rua Nortelândia, 93, Jardim Vista Alegre. Foi uma grande festa. As comunidades fizeram fila para conhecer o local das transmissões e a Cantareira passou a ser um ponto de referência de comunicação popular.

Era gratificante para a comissão organizadora ver a satisfação da comunidade e o empenho para que o projeto desse certo, mas vieram as dificuldades e desafios. Um deles, a manutenção financeira da rádio, em meio às comunidades pequenas e quase sem estrutura. Também era necessário ter uma entidade mantenedora, além de garantir, minimamente, a formação das equipes de comunicadores.

Não bastassem essas questões, veio a perseguição da Policia Federal. Foram quase três anos de mobilização com caminhadas, manifestações, diversas caravanas a Brasília exigindo o fim da repressão e a regulamentação das rádios comunitárias. Houve uma intensa participação da equipe de comunicadores e lideranças das comunidades. Nessa época, a Rádio Cantareira era associada da ANCARC (Associação Nacional Católica de Rádios Comunitárias), que teve papel importante na construção da lei 9.612/98, que regulamentou o serviço de radio difusão comunitária no Brasil.

Em agosto de 1998, logo após a regulamentação da lei, a Associação Cantareira deu entrada com a documentação para a regularização da emissora. O processo demorou mais de 12 anos. Em dezembro de 2006, quando a Anatel definiu o canal para as comunitárias em São Paulo, foi expedido pelo Ministério das Comunicações o 1º aviso de habilitação. Mais de 317 entidades manifestaram interesse. Porém, só continuaram no processo 120 que estavam com a documentação em dia.

Posteriormente, veio a disputa política local. A lista das 120 habilitadas na 1ª fase agrupava as entidades mais próximas. No grupo da Rádio Cantareira havia mais três. Após longa reflexão, o Ministério das Comunicações concedeu à Associação o direito de executar o serviço de rádio difusão comunitária no distrito de Brasilândia. A fase seguinte foi a adequação do projeto técnico.

Vencidas todas as etapas, em 17 de dezembro de 2009, foi publicado no Diário Oficial da União a autorização de funcionamento da Rádio Cantadeira. No entanto, ainda era necessário aguardar que os deputados e senadores votassem. Em maio deste ano, chegou a autorização do Congresso Nacional e na semana passada a rádio recebeu a aprovação do Senado.

Agora, a Rádio Cantareira pode ser sintonizada na freqüência 87,5 FM e também parte da programação estará na Web rádio, www.radiocantareira.org. A inauguração da emissora acontece em 18 de julho, às 15h, em ato solene. Participe. A Associação está localizada na Rua Jorge Pires Ramalho, 71, Vila Isabel. Outras informações pelo telefone 3921 7586.

sábado, 10 de julho de 2010

Leigos pela Comunicação Social e Iniciação Cristã

por Juçara Terezinha, pela Pascom Brasilândia

Final de semana de mobilização na Brasilândia pelo 1° Congresso Arquidiocesano de Leigos. Em clima de alegria e compromisso social, ocorreram duas oficinas de leigos: no sábado, 03 de julho, sobre Comunicação Social, e no domingo, 04,o tema em destaque foi a Iniciação Cristã.

Mais de 40 lideranças de todos os setores pastorais da Brasilândia participaram da oficina de Comunicação Social, na sede da Associação Cantareira, Vila Isabel, com assessoria da equipe regional da Pastoral da Comunicação. Padre Jaime Isidoro Sena, coordenador regional de Pastoral fez a abertura dando as boas vindas e conduziu o momento de oração e apresentou um breve relato sobre o histórico do Congresso de Leigos.

Na sequência, o padre Cilto José Rosembach, assessor regional da Pascom, conduziu a reflexão sobre o tema. Ele destacou alguns pontos relevantes da comunicação no âmbito social e interpessoal, destacando os processos de comunicação humana, que envolvem a troca de informações. O assessor e os participantes indicaram as iniciativas de comunicação já existentes na região Brasilândia, tais como: cruz, sino da igreja e uso de datashow nas missas e celebrações; difusão de informações em jornais, sites, blogs, quadros de avisos, rádios, cartazes, banners, faixas, som de rua, lousa; além de camisetas temáticas, músicas, teatro e símbolos diversos. Sobre a comunicação da Igreja no Brasil, Cilto pontuou sobre as orientações que estão sendo elaboradas nas diretrizes de comunicação da Igreja Católica no Brasil.

Diversas propostas foram apontadas pelos presentes para melhorar a comunicação da Igreja na Brasilândia, entre as quais: maior inserção dos jovens nos planos de comunicação regionais e paroquiais; definição de custos com a comunicação nas comunidades, paróquias e na Região; estimulo à formação de grupos de estudos sobre temas sociais, culturais e de evangelização; dinamização de linguagem e de atualização do site REBRA; uso mais intenso de blogs, sites e jornais da Região; Mapeamento da comunicação nas comunidades; aprimoramento dos meios internos de comunicação nas igrejas, tais como painéis, murais e recados ao final das missas; Acolhida aos profissionais de comunicação para que atuem nas comunidades.

No domingo, 04 de julho, mais de 130 pessoas, entre catequistas, padres, religiosas e lideranças estiveram na oficina de iniciação cristã, na igreja N. Sra da Expectação, setor Freguesia do Ó.

Na abertura dos trabalhos, a leiga Dorialva da Graça Lima, fez memória da atuação dos leigos na missão da Igreja, e resgatou todo o processo de realização do 1º Congresso de Leigos de São Paulo. As Questões que nortearam a reflexão da oficina foram: O que se entende por iniciação cristã e como fazer acontecer na prática nas comunidades? Quais os desafios? O que fazer para as pastorais possa trabalhar em conjunto?

Os participantes apresentaram propostas para a melhoraria do trabalho da equipe regional da catequese e indicar respostas para as inúmeras perguntas que são levantadas rotineiramente nas comunidades sobre o processo de iniciação cristã. No final as duas oficinas, houve a escolha dos representantes para as oficinas que acontecem em nível arquidiocesano.

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Urgente: a Brasilândia precisa de mais creches

por Daniel Gomes, pela Pascom Brasilândia

“Atender 100% das crianças cadastradas em creches (zero a três anos)”. A promessa do prefeito Gilberto Kassab (DEM), durante as últimas eleições, dificilmente será cumprida até o fim de sua gestão em 2012. Dados da Associação Transparência Municipal, divulgados em abril, apontam que mais de 78 mil crianças aguardam por vagas em creches na capital. Só em 2010, 11 mil crianças entraram na fila de espera.

No comparativo com 2009, a prefeitura matriculou 7.000 mil crianças a mais, porém o número de vagas nas creches ainda é insuficiente, pois para atender a demanda seria preciso criar anualmente cerca de 26 mil novas vagas. De janeiro de 2009 a junho de 2010, por exemplo, somente o conselho tutelar da Freguesia do Ó/Brasilândia, emitiu 534 representações contra a Diretoria Regional de Ensino (DRE) na busca por vagas nos Centros de Educação Infantil da prefeitura.

“A quantidade de vagas é insuficiente e a demanda tem sido enviada para unidades de ensino a mais de dois quilômetros da casa dos alunos. O número de crianças fora das CEIs diminuiu, porém os estudantes estão muito longe de suas casas e isto implica em evasão escolar”, constata Leandro Silva, conselheiro tutelar na Freguesia do Ó/Brasilândia.

O problema relatado não é novidade. Durante as eleições de 2008, a Igreja na Região Episcopal Brasilândia produziu um documento sobre as demandas públicas na Região no qual alertava que a situação da educação fundamental é marcada pela precariedade das instalações físicas, superlotação das salas, grande distância físicas entre as escolas e as comunidades, por exemplo. O documento, entregue aos candidatos daquele pleito, destacava a necessidade de ampliar o número de creches diretas na Região e de aumentar o valor repassado às creches conveniadas.

Historicamente, uma das alternativas da prefeitura para suprir o déficit de creches é estabelecer convênios, renováveis a cada dois anos e meio, com ONGs da área da educação. A entidade Obras Sociais do Jardim Vista Alegre é uma das conveniadas e atualmente atende 200 crianças. No bairro da zona noroeste da cidade há apenas uma CEI onde estudam 135 crianças, mas a procura por vagas é bem maior.

“A demanda é muito alta e não temos vagas suficientes. Acredito que mais de 10 mil crianças estão sem creche na Região Brasilândia. O ideal é que a prefeitura construa novos prédios e assuma a administração das CEIs, pois só ter creches em entidades conveniadas não resolve, embora façamos o melhor trabalho possível”, opina Zita Vidal da Silva Andrade, presidente da entidade Obras Sociais do Jardim Vista Alegre.

Dados da Secretaria Municipal da Educação (SME) divulgados em junho de 2009 indicam que 119 mil crianças estão matriculadas em creches conveniadas ou administradas pela prefeitura. Nas 100 creches coordenadas pela DRE da Freguesia/Brasilândia estudam mais de 8.400 crianças e nas 93 da DRE de Pirituba são atendidas mais de 9.500 crianças de zero a três anos. Segundo informações do portal da SME, cada turma tem em média 10 alunos.

“A prefeitura tem se desdobrado para zerar o déficit de vagas, mas há um excesso de convênios o que impede que tenhamos equipamentos efetivamente públicos. As creches conveniadas são casas comuns, locais comunitários adaptados o que tira da criança a referência de espaço de educação”, avalia Leandro Silva.

O Estatuto da Criança e do Adolescente, ECA, em seu artigo 54, determina que os governos federal, estadual e municipal assegurarem atendimento em creche e pré-escola para crianças de zero a seis anos. Em São Paulo e na Brasilândia, essa garantia legal não está sendo cumprida e as eleições 2010 são um ótimo momento para que os candidatos apresentem propostas concretas de resolução do problema.
Ocorreu um erro neste gadget

Acessos