sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Regional de Comunicação trata de documento 101 da CNBB

Por Daniel Gomes, pela Pascom Brasilândia
(colaborou Anderson Braz e Francisca Chiovitti)

Jundiaí, no interior de São Paulo, acolheu de 18 a 20 de novembro, o 17° Encontro Regional de Comunicação, que nesta edição teve como foco a análise do documento de estudos 101 da CNBB “Comunicação na vida e missão da Igreja no Brasil”. O documento trata do sentido das tecnologias na sociedade, aborda o relacionamento das pessoas com a mídia e estabelece os alcances das novas mídias para a Igreja.

Na abertura das atividades, na noite de sexta-fe
ira, dom Vicente Costa, bispo de Jundiaí, acolheu os presentes, e dom José Moreira de Melo, recém nomeado bispo referencial da Pascom no Regional Sul1, falou sobre a responsabilidade de estar à frente da pastoral. Ele pediu a paciência e a ajuda dos cerca de 75 participantes do encontro até se adaptar ao cargo.

A assessoria do encontro ficou a cargo do padre Evaldo César de Souza, diretor artístico da Rede Aparecida, ao longo de todo o sábado. Inicialmente, ele enfatizou que comunicação é relacionamento humano e que se dá a partir de uma intencionalidade. Ao apresentar panoramas das teorias da comunicação ao longo da história, lembrou que atualmente a comunicação é vista como algo pessoal, concensual, que não se limita à transmissão de dados e só acontece, de fato, se gerar mudança nos interlocutores.


Padre Evaldo polemizou sobre a expansão da comunicação relacional na internet, especialmente pelas mídias sociais digitais: “Migramos em massa para um ambiente onde não há relacionamento, logo, estamos deixando de comunicar. Nós vivemos em um século de muitos meios de comunicação e cada vez mais, estamos distantes uns dos outros”.

Em análise específica sobre o documento 101 da CNBB, o padre enfatizou que a Igreja deve integrar-se a nova cultura midiática, mas sem cair no estado de ‘incomunicação’ das redes. Cabe à Igreja disseminar nesses ambientes digitais, segundo ele, o Evangelho de Jesus Cristo – “a maior de todas as verdades a ser anunciada” – a fim de tirar as pessoas da inércia.

O padre também apontou que o documento trata de educomunicação (o educar o espírito da comunicação na Igreja e para o outro) e da valorização da liturgia como principal momento da comunicação de Deus com a humanidade.

Padre Evaldo lembrou ainda que a comunicação nas mídias digitais deve alimentar a cultura de fé, mas não substituir o relacionamento interpessoal presencial e lamentou que nem todos os bispos estejam preocupados com o andamento das comunicações nas dioceses, arquidioceses e regiões.

Delegação paulistana analisa Pascom Arquidiocesana

A partir das análises do padre Evaldo, os participantes do encontro se reuniram em grupo no domingo, 20, para analisar o panorama da Pascom em suas subrregiões. Os cinco participantes de equipes de Pascom na Arquidiocese de São Paulo – três da Pascom Brasilândia (Pascombras), um da Pascom Arquidiocesana e um da Pascom da Sé, falaram do panorama da pastoral.

De acordo com Anderson Braz, coordenador da Pascom Brasilândia, houve preocupação da coordenação regional quanto a articulação da pastoral nas arquidioceses de São Paulo, Aparecida, Botucatu e Campinas.

Ricardo Luciano, também da Pascombras, lembrou que “a internet pode servir para uma comunicação de chamada, mas a Palavra em si deve ser preservada dentro da casa de Deus. Isso faz com que a pessoa entenda a necessidade de estar lá e não perca a essência de ser manter na Igreja de uma forma presencial”.

Francisca Chiovitti, da Pascom Arquidiocesana, lamentou que nem todas as instâncias que cuidam da comunicação na Arquidiocese consigam chegar a um entendimento de trabalho. Ela também falou da evangelização pelas mídias sociais. “As pessoas têm facilidade em seguir pessoas, mas se esquecem que não temos que seguir pessoas e sim a Deus. Existem três letras que impedem que isso aconteça: ego”.

Todos os apontamentos dos participantes foram encaminhados à coordenação do Regional Sul 1 da CNBB. De acordo com Maria Celeste Ghilslandi, assessora da Pascom no Regional, a articulação da comunicação nas (arqui) dioceses será um dos principais focos das atividades em 2012.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Pascombras aposta no trabalho em equipe

Por Daniel Gomes, pela Pascom Brasilândia



A situação é inédita para a Pascom Brasilândia: realizar a cobertura de três eventos importantes, no sábado, dia 19 de novembro. Dois são na própria região: A Assembleia Pastoral da Brasilândia; e o Seminário de encerramento do Curso de Direitos Humanos; e há outro, um pouco mais longe, em Jundiaí, o Encontro Regional Sul 1 de Comunicação.


Em Jundiaí, com o tema "Comunicação na vida e missão da Igreja no Brasil", o Encontro Regional de Comunicação reunirá agentes de Pascom das oito subrregiões, entre essas a SP1, subrregião da Arquidiocese de São Paulo. Durante o evento, que começa na sexta-feira, 18, e segue até domingo, 20, a Pascombras apresentará na home-page deste blog alguns tweets direto de Jundiaí e na próxima semana será postada a reportagem do encontro.


A assembleia pastoral regional, momento importantíssimo da Igreja na Brasilândia, que acontece no Colégio Santa Lúcia Fillipini, das 8h30 às 13h, também terá a presença da equipe da Pascom. Serão companheiros novos na pastoral, mas experientes em vivência de Igreja, que ficarão responsáveis pelas fotos e a reportagem do evento, que será publicada na próxima semana aqui no blog e também no jornal O SÃO PAULO, nas páginas das regiões episcopais. Porém, antes, certamente, muitas fotos da atividade já estarão postadas em blogs e perfis do Facebook dos membros que atuam em Pascom em suas paróquias e comunidades.


Na Paróquia Santos Apóstolos, o seminário de encerramento de Direitos Humanos, promovido pela Associação Cantareira em parceria com a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, terá transmissão ao vivo pela rádio web da associação (www.cantareira.org/radiodh), com link de acesso pelo blog da Pascom. Quatro paróquias da região foram parceiras do projeto – São Luís M.G. de Montfort, Santa Rosa de Lima, Nossa Senhora Aparecida/Vila Souza e Santos Apóstolos.


Com três coberturas jornalísticas simultâneas nesse fim de semana é momento mais do que oportuno de agradecer a confiança da Região Brasilândia em nosso trabalho e enfatizar a importância das iniciativas em equipe e, ao mesmo tempo, agradecer aos novos agentes da Pascombras, que serão fundamentais para o sucesso desse "fim de semana jornalístico".


E é por reconhecer a importância de multiplicar as ações da equipe e capacitar lideranças em comunicação das paróquias e comunidades, que a Pascombras propõe para 2012 formações paroquiais, setoriais e regionais de comunicação, na esperança de que diante de momentos felizes como este, em que três eventos mobilizam os leigos e o clero da Brasilândia, possamos prestar nosso serviço pastoral e comunicar a vivacidade da Igreja a todo mundo, em plataformas impressas, digitais e sonoras.

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Apostolado da Oração da Brasilândia faz retiro espiritual

Por Ana Lúcia Contarelli, coordenadora do apostolado e integrante da Pascom Brasilândia

No sábado, 5 de novembro, ocorreu o retiro espiritual do Apostolado da Oração da Região Episcopal Brasilândia, no convento Santa Lúcia Filippini, na Freguesia do Ó.

Estiveram presentes diversos zeladores e zeladoras do movimento bem como associados do apostolado, atuantes nas 39 paróquias e áreas paroquiais da região episcopal Brasilândia.

No começo das atividades pela manhã, padre Armênio Rodrigues Nogueira, diretor espiritual arquidiocesano e regional do Apostolado da Oração e do Movimento Eucarístico Jovem (MEJ) acolheu os participantes.

Na sequência, padre jesuíta Otmar Jacob Schwengber, secretário nacional do apostolado e do MEJ, orientou um exercício de relaxamento corporal em forma de oração contemplativa. Ele também aprofundou o tema da fé com um reflexão para fortalecer a caminhada pastoral dos participantes, que deve ser renovada através da oração e do oferecimento diário, contando com a força do altíssimo para os diversos serviços que a Igreja necessita.

O retiro espiritual foi encerrado com missa em honra ao Sagrado Coração de Jesus e posterior agradecimento a padre Otmar e sua equipe pelo dia de retiro, que foi considerado pelas irmãs do convento Santa Lúcia Filippini como um presente de Deus.

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Armas de fogo, de rodas e de copos

Por Daniel Gomes, pela Pascom Brasilândia

As histórias que envolvem os filhos de Maria da Anunciação e Fátima (nomes fictícios de duas leigas engajadas em comunidades católicas da Região Brasilândia), infelizmente, acontecem com certa regularidade na periferia de São Paulo.

Em 2010, Maria da Anunciação acordou com o toque do celular e a noticia da morte do filho em um acidente de moto. Relatos de amigos dão conta que o rapaz, pai de uma criança de oito anos, e que meses antes sofrera outro acidente de moto, voltava de uma festa e que, se comprovaria depois, estava embriagado.

Fátima, felizmente, ainda não teve noticia tão ruim, mas vive angustiada: o filho adolescente tem o hábito testar os próprios limites em cima da moto e de tempos pra cá, adquiriu um novo ‘hobbie’: comprou um revólver, claro que a contragosto da mãe, com a justificativa de que é para se defender de quando for “tirado por alguém”.

A Igreja Católica que Maria da Anunciação e Fátima participam com vigor não parece indiferente a essas três realidades: as armas de fogo, as armas de roda e a as armas de copos. Exemplo recente foi a participação da Arquidiocese de São Paulo e da Diocese de São Miguel na campanha Religiões Unidas pelo Desarmamento, promovida pelo Instituto Sou da Paz.

Entre 21 e 30 de outubro, 19 paróquias na cidade de São Paulo foram postos de recolhimento de armas, sob a supervisão da Guarda Civil Metropolitana. No total, 271 armas de fogo e mais de 2 mil munições foram entregues nas paróquias, salvando muitas vidas, certamente.

Na Região Brasilândia, onde mora o filho de Fátima e onde por muitos anos viveu o de Maria da Anunciação, apenas uma paróquia foi autorizada a recolher as armas: a Santa Cruz de Itaberaba. Lá, houve a entrega de 21 armas.

Evidentemente, os nove dias de campanhas e armas e munições recolhidas não acabaram com o problema da violência, e não a sanariam mesmo que os postos de recolhimento fossem permanentes, pois como bem lembrou o cardeal dom Odilo Pedro Scherer, arcebispo de São Paulo, na solenidade de abertura da campanha, a simples entrega da arma não é suficiente, sendo preciso, segundo ele, “uma verdadeira educação para o desarmamento e para a paz”.

E é neste ponto que as histórias das angustiadas Maria da Anunciação e Fátima se cruzam com a de outras 40.160 mães brasileiras que em 2010 perderam seus filhos em acidentes de trânsito, segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde na sexta-feira, dia 4.

De acordo com o ministério, em 8 anos, o número de vitimas fatais em acidentes de trânsito cresceu 24% e os principais fatores são a mistura de álcool e direção e o crescimento do número de motos em circulação. Para se ter ideia, no mesmo período comparativo, o número de acidentes fatais com moto triplicou.

Um dia antes da divulgação dos trágicos dados pelo ministério, o Supremo Tribunal Federal (STF) deu uma boa notícia aos brasileiros, ao considerar constitucional o artigo 306 do Código de Trânsito Brasileiro, o qual qualifica como crime o ato de dirigir bêbado (com mais de 6 decigramas de álcool a cada litro de sangue), mesmo que a atitude não provoque acidentes de trânsito. A pena varia de seis meses a três anos de detenção, multa, suspensão ou proibição de obter a permissão ou habilitação para dirigir.

Educação para o desarmamento e para a paz, esse é o foco a ser seguido, a partir de campanhas como a Religiões Unidas pelo Desarmamento. Porém, é prudente não esquecer que álcool aliado à direção e a imprudência sobre rodas são tão letais quanto um tiro certeiro.
Ocorreu um erro neste gadget

Acessos