sexta-feira, 31 de julho de 2009

As lições do 12° Intereclesial das CEBs

Reúna representantes de 272 dioceses do Brasil, integrantes de mais de 100 mil comunidades, participantes de 17 países da América Latina e observadores da Europa, Estados Unidos e Japão. No total, mais de três mil pessoas. Agora, acolha-os às margens do Rio Madeira, em meio à realidade sofrida da população ribeirinha e das comunidades indígenas de Porto Velho, RO.

Foi nesse cenário que os integrantes das CEBs, Comunidades Eclesiais de Base, promoveram o 12° Intereclesial, entre os dias 21 e 25 de julho. Do ventre da terra, o grito que veio da Amazônia deixou muitas lições aos participantes e que deverão ser partilhadas, para que haja uma reflexão sobre o papel de cada cristão na construção do tempo presente e futuro.

No Intereclesial, houve a constatação de que a humanidade está em meio a uma crise de sustentabilidade. O estilo de vida dos centros urbanos, pautado em um consumismo desenfreado, promove a degradação incontrolável da natureza e gera prejuízos a vida no presente e danos incalculáveis às gerações futuras. Diante disso, houve um consenso de que se faz urgente uma profunda avaliação dos atos do hoje e dos impactos que poderão causar aos homens do amanhã.

O diálogo interreligioso é uma das chaves para uma vida mais harmônica dos diversos povos. Respeitar as diversidades religiosas e culturais pode acrescentar muito, em sabedoria, ao estilo de vida descompassado das grandes cidades. Entender, como os indígenas, que somos nós que precisamos da natureza, e não o contrário, é fundamental.

No Intereclesial, o alerta para uma nova espiritualidade cristã também foi deixado: o ardor missionário e a coerência entre os atos cotidianos e a profissão de fé, devem sobrepor-se às devoções individualizadas. Nesse sentido, uma frase do arcebispo de Porto Velho, Moacyr Grechi, resume o desafio missionário de cada cristão: “Gente simples, fazendo coisas pequenas, em lugares pouco importantes, conseguem mudanças extraordinárias”.

sábado, 25 de julho de 2009

BRASILÂNDIA PROMOVE FORMAÇÃO LITÚRGICA

Lideranças comunitárias, agentes de pastoral, religiosos e leigos são esperados para a 2ª Semana de Formação Litúrgica da Região Episcopal Brasilândia, que será realizada em quatro paróquias, entre os dias 27 e 30 de julho. Com o tema “Alegrai-vos sempre no Senhor!”, a atividade servirá para preparar aos participantes para o Mutirão Bíblico, que acontece em setembro próximo.

Nos quatro dias haverá o estudo da Carta de São Paulo aos Filipenses, a partir da palestra dos assessores do Centro Bíblico Verbo Divino: os padres Shigeyuki Nakanose, Raimundo Leite Filho, José Ademar Kaefer e Maria Antônio Marques. Cada palestrante visitará as paróquias escolhidas em um dia da semana. O material de referência para a formação será o folheto Bíblia Gente, elaborado pelo Centro Bíblico Verbo Divino e que será também utilizado nas atividades dos grupos de rua no mês da bíblia.

Os encontros acontecerão das 20h às 22h, na paróquia Santo Antonio, Vila Brasilândia; Nossa Senhora Mãe de Deus, Freguesia do Ó; São Luís Gonzaga, Pirituba; e Santa Rosa de Lima, Perus. Algumas Igrejas já organizaram ônibus para que os paroquianos compareçam à atividade. O objetivo dos organizadores é que ao menos se repita o número de participantes da última semana formação: em maio, com o tema sobre liturgia, mais de 500 pessoas estiveram nos encontros.

Para outras informações sobre a 2ª Semana de Formação Litúrgica entre em contato com a Cúria Regional pelo telefone 3924-0020 ou pelo e-mail pastbrasilandia@uol.com.br. Veja abaixo os locais onde serão realizadas as formações:

Paróquia Santo Antônio
Rua Parapuã, 1903 - Vila Brasilândia
Tel.: 3921.6046.

Paróquia Nossa Senhora Mãe de Deus
Rua Manoel de Arzão, 85 - Vila Albertina
Tel.: 3931.4001.

Paróquia São Luís Gonzaga
Praça Dom Pedro Fulco Morvidi, 1 - Vila Pereira Barreto, Pirituba
Tel.: 3975.6790.

Paróquia Santa Rosa de Lima
Rua Dr. Oscar da Cunha Corrêa, 141 - Perus
Tel: 3917.0875.

sábado, 18 de julho de 2009

O grito da Brasilândia vai ecoar no Intereclesial

Porto Velho (RO), sedia a partir de terça-feira, 21 de julho, o 12° Intereclesial da CEBs: “Ecologia e Missão”. Até sábado, 25 de julho, mais de 3.000 delegados das Comunidades Eclesiais de Base do Brasil, América Latina e Caribe são esperados para refletir propostas que ajudem a viabilizar um mundo sustentável.

Como o lema “Do ventre da terra, o grito que vem da Amazônia”, o 12° Intereclesial terá no centro das discussões o combate à destruição da Floresta Amazônica e a busca de alternativas à preservação das comunidades indígenas. Haverá ainda reflexões sobre os impactos do agronegócio, transposição e poluição dos rios, desperdício de energia e comida, consumo desenfreado de bens e geração excessiva de lixo.

A Arquidiocese de São Paulo estará representada por 54 delegados, 19 dos quais da Região Brasilândia. Serão padres, religiosos e leigos que pretendem fazer ecoar os entraves ecológicos da Região, como os lixões nos bairros de Perus/Anhanguera e a deficiente gestão de projetos de reciclagem. Em recente entrevista ao blog Kmspagu, o padre José Renato, assessor das CEBs, revelou suas expectativas em relação aos representantes da Região Brasilândia no 12° Intereclesial. “Esperamos que os nossos representantes voltem mais animados, esclarecidos, com maior ardor profético para testemunhar a missão do reino que passa pela ecologia e pela manifestação dos filhos de Deus, porque a criação foi submetida à vaidade humana”, anseia o religioso.

Há mais de quatro anos, a Diocese de Porto Velho organiza-se para acolher o 12° Intereclesial. Na última sexta-feira, 17, em entrevista coletiva, o arcebispo de Porto Velho, dom Moacyr Grechi destacou a importância do Intereclesial para a imagem da Região Amazônica. “No restante do país é impressionante o desconhecimento da realidade desta região. Alguns acreditam que aqui temos onças pelas ruas e outros só enxergam as riquezas que podem ser exploradas, como os minérios e a madeira. A realização deste evento servirá também para mostrar que temos um povo trabalhador e cidades com as mesmas condições de outras partes do país”, comentou.

Apesar de ser uma realização da Igreja Católica, a celebração de encerramento do 12° Intereclesial das CEBs será um momento ecumênico, a ser celebrado por líderes religiosos mulçumanos, evangélicos, umbandistas, judeus, budistas e cristãos ortodoxos, oficialmente convidados para o ato.

Saiba mais sobre o 12° Intereclesial das CEBs em: http://www.cebs12.org.br/

sexta-feira, 10 de julho de 2009

O estranho adiamento repentino do Muticom

por Daniel Gomes, jornalista e moderador do blog da Pascom

Os participantes do Mutirão de Comunicação da América Latina e do Caribe, Muticom, foram surpreendidos na segunda-feira, 06 de julho, com o adiamento do evento, que seria realizado entre os dias 12 e 17, do mesmo mês na cidade de Porto Alegre (RS). Os organizadores decidiram seguir a solicitação das autoridades de saúde pública do Rio Grande do Sul que recomendaram, também no dia 06, a não-realização de grandes eventos em ambientes fechados, como forma de prevenir a expansão da gripe suína, Influenza A (H1N1).

Embora o adiamento da atividade seja uma medida prudente, dado o risco eminente da expansão da gripe em um ambiente que concentraria pessoas de diversas localidades, é de se estranhar que a recomendação das autoridades de saúde gaúcha tenha sido emitida há menos de uma semana do início do evento, haja a vista que desde 25 de abril, todo o Brasil está em estado de alerta epidemiológico pela expansão da gripe suína.

O adiamento do Muticom para fevereiro de 2010 representa um duro golpe no planejamento, financeiro e de trabalhos, das entidades que enviariam participantes ao evento. A Pascom Brasilândia, por exemplo, após uma gestão de economias no primeiro semestre, no já reduzido orçamento anual, estaria representada no Mutirão pela jornalista Juçara Terezinha. Os gastos com alimentação, estadia, transportes na cidade, passagens de ônibus e inscrições ultrapassaram 900 reais. Parte desses recursos poderá ser remanejado para outras atividades, porém, em linguagem popular “perdemos dinheiro” em outros investimentos com o Mutirão.

“Entendemos que a referida transferência é um exercício de responsabilidade e manifestação de solidariedade integral com respeito à saúde e vida dos participantes e do povo de Porto Alegre. Estamos cientes dos graves prejuízos que esta determinação acarreta, em primeiro lugar aos participantes deste acontecimento continental. Também aos conferencistas, painelistas, técnicos, especialistas e, de maneira particular, aos organizadores, patrocinadores e promotores”, disse em comunicado oficial dom Dadeus Grings, Arcebispo de Porto Alegre e Presidente do Mutirão América Latina e Caribe.

Ao longo desta semana, a equipe da Pascom Brasilândia recebeu relatos de participantes que iriam ao Muticom “por conta própria” e que não conseguiram desmarcar as passagens áreas, por exemplo. A soma de prejuízos com o adiamento de última hora não se restringe às perdas financeiras e também impacta em mudanças no planejamento das discussões e no esfriamento dos debates sobre as políticas de comunicação.

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Padre Konrad Korner: o sacerdote do povo

As comunidades do Jardim Peri, Perus e Carumbé celebraram no domingo, 28 de junho, os 40 anos de sacerdócio do padre Konrad Korner, na comunidade Divino Pai Eterno, Vila Nova esperança. Além de padre Konrad, concelebraram a missa, o bispo emérito de Blumenau, dom Angélico Bernardino e o padre José Aécio Cordeiro.

Nascido em cinco de fevereiro de 1941, em Ampferbach, Alemanha, Konrad Korner foi ordenado padre em 28 de junho de 1969, com o lema: “Que o serviço seja para a honra de Deus e a salvação dos homens”. Cinco meses depois, chegou ao Brasil.

Durante os últimos 40 anos, o padre trabalhou em diversas paróquias do estado de São Paulo. De junho de 1970 até dezembro de 1971, ocupou o cargo de cooperador na paróquia São Bendito, em Caçapava. De 1972 a 1973 foi cooperador na paróquia Nossa senhora do Bom fim, Santo André.

Em 21 de janeiro de 1990, assume como vigário na Paróquia Nossa Sra. Aparecida, Vila Souza, na recém formada Região Episcopal Brasilândia, onde assumiu provisoriamente as funções de vigário regional no começo da década de 2000. Em 2002, tornou-se o pároco na Igreja Cristo Ressuscitado e de algumas comunidades do Jardim Peri Alto. Em 15 de novembro de 1996 é transferido para a área pastoral São José Operário, em Perus, como vigário da Paróquia Santa Rosa de Lima. Em seis de junho de 1999, torna-se o primeiro pároco da recém-inaugurada Paróquia São José Operário, onde permaneceu até 2007. Desde janeiro de 2008 é pároco na Paróquia Bom Pastor, no Jardim Carumbé.


Trabalho de fé reconhecido por leigos e religiosos

“Em todos os lugares que passou padre Konrad é lembrado como um pastor que cuida do seu rebanho. Um padre preocupado com os mais pobres, com os enfermos, com os idosos, e principalmente com a juventude”, conta Maria Camargo da Paróquia são José Operário, Perus.

“Não tem buraco, nem beco que ele não entre para chegar até uma pessoa doente, ou que precise de uma palavra amiga”, revela Maria José (Zezé) da comunidade Nossa Sra. Aparecida.

“Ele tem um cuidado especial com os padres. É um observador, escuta e procura sempre resolver os conflitos com ponderação e sensatez”, observa Padre Aécio Cordeiro.

“É um verdadeiro missionário de Jesus, no meio dos pobres, um homem da periferia. Onde há uma pessoa doente, lá ele esta. Vai edificando com o povo os grupos de ruas, as comunidades eclesiais de base. O povo o tem nos braços nestes 40 anos, louvando e agradecendo a Deus pelo dom deste padre que é o nosso querido irmão Konrad” destaca Dom Angélico Bernardino.

Ocorreu um erro neste gadget

Acessos