sexta-feira, 24 de abril de 2009

Liturgia é o tema da Semana Regional de Formação

A Região Episcopal Brasilândia realiza de 04 a 07 de maio a Semana Regional de Formação, com abordagem na temática da liturgia. Os encontros acontecerão simultaneamente, das oito às dez da noite, nas paróquias Nossa Senhora Mãe de Deus (Setor Freguesia do Ó), Santa Rosa de Lima (Setor Perus), Santo Antônio (Setor Nova Esperança) e São Luís Gonzaga (Setor Pereira Barreto).

A Semana de Formação terá assessoria de Márcio Antônio de Almeida – mestrando em música, especialista em liturgia e membro da equipe de reflexão de música litúrgica da CNBB; Gabriel Frade – mestre em liturgia pela Pontifícia Universidade Assunção; Padre Rui Melati – especialista em liturgia e responsável pelo Diretório Litúrgico da CNBB; e dos graduandos em teologia, Fabiana Sousa e Eurivaldo Silva Ferreira.

Os assessores irão se revezar nas paróquias para tratar dos tópicos “Teologia e Espiritualidade”, “Espaço Litúrgico”, “Partes Fixas da Missa” e “Rubricas na Celebração Eucarística”.

Os interessados em participar da Semana Regional de Formação devem preencher, até o dia 29 de abril, a ficha de inscrição na paróquia que freqüentam. Em 2008, a Região Brasilândia promoveu duas semanas de formação e, em ambas, mais de 700 pessoas estiveram presentes.

sexta-feira, 17 de abril de 2009

Mais de 100 km/h e R$ 184 milhões a menos

A série de irregularidades na construção do Rodoanel, o maior complexo viário urbano do país, ganhou mais um capítulo esta semana. Uma auditoria do Tribunal de Contas da União, TCU, apontou que as obras do trecho leste podem ter gerado um prejuízo de mais de 184 milhões aos cofres públicos. Os quilômetros de vergonha e corrupção envolveriam ainda a compra de itens de construção 30% acima do valor de mercado e a “economia” de materiais: algumas pontes construídas, por exemplo, teriam sido feitas com menos vigas que o previsto.

As suspeitas de superfaturamento das obras não são uma novidade. Em 1998, quando teve início a construção do trecho oeste – que passa pela região Perus/ Anhanguera – o orçamento dos serviços era de R$ 338,9 milhões, mas ao fim dos trabalhos em 2002, o custo final para os cofres públicos foi de R$ 1,2 bilhão, 70% além do previsto.

Para equacionar o “gasto extra”, o governo do estado ensaiava já em 2006 a cobrança de pedágio no trecho oeste, com a justificativa de que o dinheiro seria utilizado para alavancar as obras no setor sul. “O pedágio não vai cobrir todo o valor da obra do Rodoanel Sul, e parte será ainda do governo do estado” disse em novembro de 2006, o então Secretário de Estados dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandez.

Em 17 de dezembro de 2008, mesmo diante de protestos e em claro desrespeito a lei estadual 2.481/53 - que proíbe a instalação de pedágio em um raio de 35 km a partir do marco zero da capital – o pedágio no valor de R$ 1,20 passou a ser cobrado nas 13 praças de pedágio instaladas na saída do trecho oeste.

A companhia que ganhou a concessão por 30 anos, CCR, pertence ao mesmo grupo de investidores que já controla os pedágios nas rodovias Anhanguera, Bandeirantes, Castelo Branco, Raposo Tavares e Dutra (trecho SP-RJ). Pelo contrato de concessão, a CCR deve pagar ao estado R$ 2 bilhões de outorga e investir R$ 804 milhões na via. Dinheiro para isso não vai faltar, pois hoje o fluxo médio diário no Rodoanel é de 145 mil veículos e certamente o pedágio sofrerá reajuste a longo dos próximos anos.

Região Brasilândia é contra a cobrança de pedágios

No fim de março, as lideranças da Região Brasilândia reuniram-se no Centro Pastoral Santa Fé para definir as ações contra a cobrança de pedágio nas saídas do Rodoanel e km 27 da Via Anhanguera. Ficou acertado que a Região buscará articular uma audiência pública sobre o tema, fará um abaixo-assinado contra os pedágios, acompanhará as ações do ministério público contra a implementação dos postos de cobrança e incentivará a população afetada a formalizar denúncias sobre problemas gerados a partir dos pedágios, como a falta de acesso livre para os bairros Maria Trindade e assentamento Irmã Alberta e cobrança de tarifa de ônibus mais cara para se chegar aos locais nos quais o acesso só é feito após passagem pelos postos de pedágio.

Em uma enquête realizada em março pelo Blog da Pascom, 86% dos participantes apontaram serem contra a cobrança de pedágios no Rodoanel, ao assinalarem as opções “já pagamos impostos demais e a cobrança de pedágio é absurda” e “o estado deve manter as boas condições da via sem cobrar pedágio”.

Mais e más lembranças sobre o Rodoanel
As construções do trecho oeste provocaram mortes e desapropriações na Região Perus/ Anhanguera; os quatro trechos do Rodoanel deveriam estar concluídos em 2008 e agora o governo do estado prevê que as obras só estarão concluídas em 2018; Na inauguração do complexo viário em 8 de outubro de 2002, o então governador do estado, Geraldo Alckmin, prometeu que não haveria cobrança de pedágio: “Alckmin anunciou, também, que o rodoanel não terá pedágio em toda sua extensão, pois o objetivo é estimular seu uso pelos caminhoneiros que cortam a região Metropolitana de São Paulo, levando cargas para todo o País” – clique aqui e veja a reportagem da época.

sábado, 11 de abril de 2009

Região unida na missa dos Santos Óleos

A missa dos Santos Óleos da Região Brasilândia lotou a Igreja são Luiz Gonzaga, Vila Pereira Barreto, com a presença dos padres diocesanos e religiosos, Diáconos, Irmãs, seminaristas e lideranças de todas as paróquias, na noite da quarta-feira, 08 de abril.
Durante a missa, houve a renovação dos votos dos sacerdotes, as promessas presbiterais e a bênção dos óleos que são utilizados nos sacramentos do batismo, crisma, unção dos enfermos e nas ordenações sacerdotais e episcopais.

Ao iniciar a homilia dom José Benedito Simão, bispo auxiliar da arquidiocese de São Paulo, deu as boas vindas ao bispo emérito, dom Angélico Sândalo Bernardino, que escolheu a Brasilândia para morar, ex-bispo regional. Dom Angélico agradeceu a acolhida e disse que esta muito feliz em retornar “à querida e amada Brasilândia”.

Dom Simão destacou a importância do sacerdócio na vida da Igreja. “O padre não é ordenado apenas para assumir uma paróquia, ele tem uma missão de evangelizar, de ser um missionário, um animador do povo de Deus. Por isso, o padre precisa vivenciar sua vocação, ser fiel e feliz no ministério, realizado, comprometido com o evangelho”, enfatizou o bispo.
Durante o momento das oferendas foram apresentadas as ações de vida, de caridade e justiça social que são realizadas pelas paróquias, comunidades, pastorais e movimentos eclesiais. Antes da benção final, dom Simão apresentou os cinco novos padres que chegaram este ano para trabalhar na missão da região Brasilândia.

sexta-feira, 3 de abril de 2009

“Eu vim de longe pra buscar o meu caminho”

A Peregrinação da Região Episcopal Brasilândia à Catedral da Sé, no domingo, 29 de março, começou cedo. Por volta das 10 da manhã, 400 pessoas partiram, a pé, do Largo do Clipper, na Freguesia do Ó, em direção à Praça do Patriarca. Ao longo do caminho, inspirados na perseverança de São Paulo Apóstolo, os fiéis refletiram os desafios cotidianos e proclamaram os valores e ideais de fé cristã.

No começo da tarde, a caminhada já ganhava as ruas do centro da cidade. Após uma breve parada em frente ao prédio da prefeitura de São Paulo – quando se deu um pequeno desentendimento com a força pública de segurança – os peregrinos rumaram para a Praça do Patriarca, onde se juntaram às outras caravanas das paróquias, movimentos e pastorais da Região Brasilândia.

Na Praça do Patriarca, os agora 3.000 participantes da Peregrinação ouviram a leitura do documento elaborado acerca das carências e dificuldades que a Região Brasilândia enfrenta devido à indiferença do poder público. O documento foi entregue aos representantes do executivo municipal que se comprometeram a analisá-lo e fazer encaminhamentos junto ao prefeito da cidade.

A caminhada da Região Brasilândia continuou pelo centro da cidade, passando por locais tradicionais como o Largo São Francisco. Faltavam 15 minutos para as quatro da tarde, quando a Catedral da Sé foi tomada pelos fiéis peregrinos. No início da celebração, o bispo regional, dom José Benedito Simão, destacou a importância do ato de peregrinação. “A Região Brasilândia sempre está em caminhada, e hoje unidos na igreja mãe, celebramos esse momento de fé e de graça. Nossa Região vem ao encontro do apóstolo São Paulo para aprender com o exemplo de fé deixado por ele”, destacou.

O Arcebispo de São Paulo, dom Odilo Pedro Scherer, elogiou o empenho dos fiéis participantes. “Quero saudá-los com muito afeto e admiração. Certamente, quem os via caminhando perguntava: ‘pra onde vai este povo? Será que vai para algum estádio?’ Mas, ao verem faixas, bandeiras, camisetas, devem ter concluído ‘não, vai para igreja!’. Isso é um testemunho público da vossa fé e algo de muito significado”, elogiou.

Durante a homilia, dom Odilo destacou a importância da peregrinação no ano Paulino, lembrou a capacidade missionária de todo cristão e reforçou a necessidade de uma justiça que promova dignidade humana. “Não nos faltam leis para observar a segurança, só que é preciso que sejam aplicadas. As leis de nada valem se não estão gravadas em nosso coração. Quem reconhece a Deus, vai sempre agir de maneira correta”, analisou.

No momento de ação de graças, houve memória da trajetória de 20 anos da Região Episcopal Brasilândia e a procissão de representantes de pastorais, movimentos e novas comunidades. No altar e em cada metro quadrado da Catedral da Sé, homens e mulheres que fazem a Igreja em nossa Região foram abençoados com a graça especial da indulgência e receberam um lembrete do arcebispo. “A Catedral da Sé está sempre aberta para vocês, que são parte dessa grande Igreja de São Paulo”.
Ocorreu um erro neste gadget

Acessos