sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

CF 2009 resgata lutas e desafios da Região

Por Juçara Terezinha, jornalista e integrante da Pascom Brasilândia

Em 14 de fevereiro na Igreja Santa Rosa de Lima, Perus, lideranças das comunidades, pastorais, movimentos eclesiais, padres, irmãs, diáconos refletiram o tema da Campanha da Fraternidade que propõe o debate sobre a situação da segurança publica.

A comissão responsável pela CF na Região iniciou o debate com a apresentação do DVD sobre o Ver, Julgar e o Agir da campanha. Padre Matheus Vroemen fez memória da luta do povo de Perus na defesa da segurança Pública, como a luta dos operários na Fábrica de Cimento - greve dos ‘queixadas’ e a coragem das mulheres que em meio à repressão militar dos anos de 1970 saíram às ruas pra protestar contra o pó do cimento que colocava a vida da população em perigo. O padre lembrou que bairro do Recanto dos Humildes ainda não está regularizado, lamentou a tentativa da prefeitura em implantar um novo lixão em Perus e convocou as comunidades da Região a lutarem contra essa medida.

Padre Aécio Cordeiro, assessor da pastoral carcerária, ressaltou a necessidade de a sociedade repensar conceitos sobre as pessoas que estão aprisionadas. “Muitos estão lá inocentemente, mas por causa da morosidade do judiciário essas pessoas são obrigadas a injustamente continuar na prisão. Enquanto isso, os grandes corruptos, assaltantes do dinheiro público, e muitos políticos continuam livres e cometendo injustiças”, enfatizou.

Já o diácono Antônio, Conselheiro Tutelar em Perus, relatou o abandono do poder público com relação ao atendimento digno das crianças e adolescentes que sofrem violência. “Uma das piores situações é quando o adolescente esta sofrendo ameaças de traficantes. Nesses casos, uma das alternativas é proporcionar a este adolescente e muitas vezes a sua família outro lugar para morar, ou um local em que ele possa estar seguro. Nesse caso o poder público é omisso, não cumpre a sua parte, e assim fica muito difícil o Conselho Tutelar cumprir sua função, como determina o estatuto da Criança e Adolescente”, lembrou.

A representante da Pascom e da Pastoral da Ecologia da Região, Juçara Terezinha, destacou a importância da atuação das comunidades para construir um novo panorama da segurança pública. “As lideranças das comunidades têm um papel fundamental na articulação de novas iniciativas de segurança pública, pois vivem em meio aos conflitos e situações de injustiças sociais. Além de articular e potencializar ações que sejam geradoras de paz é preciso intensificar a luta por políticas públicas que sejam meios de acabar com os focos de violência que geram hoje insegurança, medo e isolamento”, avaliou.

O bispo da Região Episcopal Brasilândia, dom José Benedito Simão, falou da urgência e da necessidade de trabalhar com mais força e coragem tema da Campanha da Fraternidade. “Como diz o lema, a paz é fruto da justiça, é preciso assumir o compromisso de profeta em meio aos conflitos e construir uma cultura de paz e não violência”, enfatizou.

A comissão organizadora do evento fez também os encaminhamentos para a celebração de abertura que acontece dia 1º de março às 14h, com a concentração na praça do samba em Perus, seguida de caminhada pela paz até o Recanto dos Humildes, onde acontece a celebração. Todas as comunidades e paróquias estão convidadas a participar do evento.

Um comentário:

Diac Francisco Gonçalves disse...

Parabéns pela ação solidária da Pascom Brasilândia.

Queria lembrar os amigos para a peregrinação pelo Ano Paulino dos Comunicadores, dia 22 de março, às 14h, no Pátio do Colégio e, às 15h, missa na catedral da Sé com animação do Pe Zezinho.

Cada representante de paróquia deve levar um jornal, boletim, para no ofertório oferecer como oferenda.

Abraço
Diac Francisco Gonçalves
Coord Pascom Arquidiocesana

Ocorreu um erro neste gadget

Acessos